Nos últimos meses tenho brigado constantemente com a preguiça e a inércia.

Enquanto elas desejam desesperadamente continuar a não fazer nada, uma boa parte da minha consciência deseja voltar a escrever diariamente, como fazia há alguns anos.

Não foram poucas as vezes em que me sentei em frente ao computador (como agora), abri o Word ou o Google Documents (como agora) e comecei a digitar um texto (como agora).

Já comecei de contos e livros a dissertações sobre a vida, o universo e tudo o mais. Tudo vai correndo bem (como agora) até que a preguiça chega arrombando a porta e me dando vários tapas na cara. Nesse momento, a inércia que embalava os meus momentos de não fazer absolutamente nada se aproveita da situação e assume os controles do meu cérebro.

Você já tentou lutar contra a preguiça? É uma batalha praticamente perdida. Você já começa a briga deitado, de preferência dormindo.

preguiça

me deixa preso aqui

Sinto que não sou mais tão forte a ponto de combatê-la de igual para igual. Estou ficando velho. Os músculos já não respondem aos estímulos com a mesma rapidez de antigamente.

Por sorte ainda exercito o cérebro com mais frequência do que os demais músculos e órgãos do meu corpo. Mas sinto que a minha criatividade e a minha disposição para escrever vão definhando pouco a pouco.

Estou tentando retomar o controle. Esse texto é um exemplo. Se fosse em um dos vários momentos de fraqueza, dificilmente teria chegado até aqui. Já teria parado de escrever há uns três ou quatro parágrafos acima.

Chegar ao final desse texto será uma vitória.

Voltar a escrever é como tentar abandonar o alcoolismo ou as drogas: um dia de cada vez. Nesse caso, uma letra de cada vez. Uma linha de cada vez. Um parágrafo de cada vez.

Quero muito voltar a escrever como antigamente, com frequência e criatividade. Se conseguir com frequência já ficarei feliz. A criatividade volta com tempo e prática.

É difícil abandonar alguns hábitos como ficar atoa na frente do computador assistindo porcarias. Meu cérebro se acostumou a agir passivamente apenas recebendo conteúdo. Ele perdeu o tesão em produzir algo fora do ambiente de trabalho.

Essa é outra questão que imagino influenciar bastante. Passo tanto tempo produzindo conteúdo para outras pessoas que simplesmente perdi a vontade de produzir para mim mesmo.

É o paradoxo de trabalhar com o que você gosta. Quando se torna obrigação, deixa de ser divertido. Há muito tempo não me divirto escrevendo e isso é algo inaceitável.

Mas não vou desistir. Consegui chegar até essa linha e segundo o contador do Word, já se vão 420 palavras. É um bom recomeço.

Aproveitei que a preguiça e inércia deram uma saída e escrevi esse texto rapidinho.

Mas vou me despedindo por aqui. Sinto que elas já estão voltando e não quero me encrencar.

É melhor não chamar a atenção. Assim elas não percebem o que estou fazendo. Melhor ser discreto. Um texto aqui e outro ali, despretensioso. Quando elas finalmente se derem conta, pretendo estar escrevendo todos os dias como nos velhos tempos.

Se você aceita um conselho, não seja como eu. Não se entregue. Exercite o cérebro todos os dias e não deixe que ele fique preso na masmorra da preguiça. Lá, ao contrário de outras prisões, é quentinho, aconchegante e te dá vontade de nunca mais sair. E esse é o problema.

Já tentei ser jogador de futebol, físico nuclear, cientista da computação e famoso. Terminei formado em publicidade e escrevendo em um blog sobre a minha vida. Isso, meus amigos, é o que eu chamo de sucesso.

Conta ai pra mim o que você achou!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE