Você conhece um “entrão”?

13/05/2009 at 11:51

Entrão, hein?

Entrão, hein?

Você sabe o que é uma pessoa “entrona”? É aquela pessoa que adora mexer em coisas que não deve e acaba fodendo a vida de outra pessoa de alguma maneira. Você provavelmente está rodeado de “entrãos“. Eu, por exemplo, estou. E o pior de tudo, é a minha própria mãe!

Minha mãe tem uma necessidade gritante de estar sempre arrumando meu quarto. O problema é que em suas arrumações, o lado “entrão” dela fala mais alto e ela acaba fuçando onde não é chamada, e quando um “entrão” entra em ação, prepare-se para algum tipo de perda.

A primeira vez que fui vítima da “entronisse” da minha mãe foi em 2004. Eu fazia estágio em uma grande multinacional e por motivos de doença fiquei alguns dias sem trabalhar. O atestado médico estava ali, guardadinho no canto do meu armário. Em mais uma das faxinas da minha mãe, ela colocou em prática o que sabe fazer melhor: jogar minhas coisas foras. Por uma incrível coincidência, um dos papéis que ela jogou fora foi justamente o meu atestado. :roll:

Era quase tarde demais quando percebi, mas deu tempo dela descer, ir à lixeira do condomínio, pegar a sacola de lixo que ela depositou e pegar o meu atestado de volta. Se não fosse entrona, isso não teria acontecido.

Outro episódio marcante sobre pessoas “entronas” envolvendo a minha mãe foi quando, em mais uma de suas limpezas diárias, resolveu pegar o meu livro do Harry Potter, que estava guardado em sua gaveta, e levá-lo para o meu quarto onde estava organizando uma pequena biblioteca.

Uma mãe... entrona.

Uma mãe... entrona.

Não teria problema algum se a minha namorada não estivesse do lado. Mas a minha mãe, por um enorme descuido ou por uma sacanagem sem precedentes, resolve abrir o livro e deixa cair ali, na frente de todo mundo, uma revistinha de sacanagem explícita que eu havia guardado dentro do livro.

Da mesma forma como um pão cai sempre com o recheio pra baixo, a revistinha caiu com aquele caralho enorme, rijo e cheio de veias pra cima, apontando bem pra minha face e rindo como se fosse algo bem gozado. Naquele momento não era, mas duas páginas pra frente… Seria cômico se não fosse trágico.

O episódio mais recente da minha amada e “entrona” mamãe vem se repetindo com certa e irritante frequência. Como o meu computador pessoal agora é um notebook, não tenho mais o hábito de deixá-lo ligado dias a fio baixando algum arquivo enorme. O máximo que faço é alternar os horários: ora deixo ligado enquanto vou para o trabalho e ora deixo ligado durante a madrugada .

O problema quando resolvo fazer isso durante o horário de trabalho é que a minha mãe, em seu infinito conhecimento sobre informática, SEMPRE fecha o meu notebook. Mais uma vez, isso não seria problema algum se o maldito notebook não fizesse Logoff quando fechado. Se ele faz logoff, automaticamente encerra-se a conexão e se a conexão é encerrada, eu não baixo arquivo. Logo, me fodo. De nada adianta deixá-lo ligado.

Com certeza você já foi vítima de um “entrão“. Eles não agem a menos que exista a menor possibilidade de você se foder de alguma maneira. O bom, no meu caso, é que a “entrona” é a minha mãe. Não tem como ficar com raiva dela. Mas se fosse um amigo, por exemplo, já teríamos saído na pancada há muito tempo.